Hint: Use 'j' and 'k' keys
to move up and down

ANA PRISCILA AFFONSO

impatient, impetuous

AnA by #VicBotelho                  <3

AnA by #VicBotelho <3

Tagged with:  #vicbotelho
Tagged with:  #banksy  #street art  #grafite  #grafiti  #flowers  #man
Tagged with:  #ballet  #project  #baillarina  #music  #sound  #street  #art  #photo  #pb  #grafite
Tagged with:  #man

os vazios são até infinitos: "É um silêncio que não dorme: é insone: imóvel mas insone; e sem...

tragoumestrago:

"É um silêncio que não dorme: é insone: imóvel mas insone; e sem fantasmas. É terrível – sem nenhum fantasma. Inútil querer povoá-lo com a possibilidade de uma porta que se abra rangendo, de uma cortina que se abra e diga alguma coisa. Ele é vazio e sem promessa. Se ao menos houvesse o vento….

(Source: c-a-n-a-r-i-o, via tragoestragos)

os vazios são até infinitos: O mundo sem mim.

tragoumestrago:

Outro dia, fiquei pensando no mundo sem mim.
Há o mundo continuando a fazer o que faz.
E eu não estou lá. Muito estranho. Penso
no caminhão do lixo passando e levando o lixo
e eu não estou lá. Ou o jornal jogado no jardim
e eu não estou lá para pegá-lo. Impossível.
E pior, algum tempo…

(Source: bukowski-brasil, via tragoestragos)

proustitute:

Sappho’s poem “An Old Age” (lines 9-20). Papyrus from 3rd c. B.C.

proustitute:

Sappho’s poem “An Old Age” (lines 9-20). Papyrus from 3rd c. B.C.

Tagged with:  #banksy  #grafiti  #graffite  #grafite  #street art
Tagged with:  #Mommy  #sensitivity  #breastfeeding  #photo
AnA                                      by Victor Botelho

AnA by Victor Botelho

Tagged with:  #lady gaga

O que será (A flor da pele)

"O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita

O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite

O que será que me dá
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo”

Tagged with:  #cara delavigne  #owl